Portugal declara ‘tolerância zero’ com o racismo após ameaças a deputadas negras

O presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, prometeu “tolerância zero” ao racismo contra vários defensores dos direitos humanos, incluindo duas deputadas negras: Joacine Katar Moreira e Beatriz Gomes Dias.

LEIA TAMBÉM: Crise aumenta população em situação de rua em Portugal

LEIA TAMBÉM: Portugal cria abrigo especial para idosas vítimas de violência doméstica

LEIA TAMBÉM: Portugal registra o menor número de casos diários de Covid-19 em 2 meses

Manifestação antirracista em Lisboa após morte homem negro. (Foto-CWB)

As autoridades iniciaram uma investigação após recebimento de ameaças por e-mail que teriam sido enviadas por um grupo de extrema direita.

Um dos e-mails, visto pela agência de notícias “Reuters”, foi enviado ao grupo Frente Unitária Antifascista nesta terça-feira, dia 11, e citou um total de 10 pessoas, de políticos a líderes sindicais, dizendo-lhes para renunciarem aos seus cargos e deixar o país em 48 horas ou enfrentam “medidas” não especificadas contra eles e suas famílias.

Assinado pela “Nova Ordem da Avis — Resistência Nacional”, o e-mail veio três dias depois que um grupo de extrema direita que se autodenominava Resistência Nacional organizou uma pequena mobilização com tochas, remetendo a atos Ku Klux Klan, em frente à sede da organização SOS Racismo. Os presentes no movimento racista usaram máscaras brancas.

Em sua página no Facebook, o grupo disse que o “protesto foi uma vigília em homenagem às forças de segurança mortas por jovens”. Contactado pela “Reuters”, a associação negou qualquer link para os e-mails ou para o grupo que os assinou.

O presidente de Portugal disse que o Ministério Público está investigando os incidentes.

— Ser firme em nossos princípios significa tolerância zero em relação ao que é condenado pela constituição — afirmou Rebelo de Sousa.

A ministra do Gabinete, Mariana Vieira da Silva, disse que a ameaça contra legisladores e outros ativistas, era “também uma ameaça contra a democracia”.

Mamadou Ba, do SOS Racismo, disse a jornalistas fora da sede da polícia em Lisboa, após relatar os incidentes, que foi mostrado o quanto a luta contra o racismo deve ser reforçada.

O presidente do SOS Racismo e do Parlamento, Eduardo Ferro Rodrigues, frisou que as ameaças vieram de um grupo de extrema direita.

Há cerca de três semanas, o ator negro Bruno Candé, de 39 anos, foi baleado várias vezes por um homem branco na casa dos 80 anos gritando calúnias racistas em uma rua movimentada de Lisboa, o que levou centenas a tomarem uma das principais praças da cidade em protesto.

“Nossas vidas são importantes”, disseram vários grupos antirracistas em uma carta aberta na quarta-feira. “O silêncio das instituições é cúmplice”.

Manifestação na cidade do Porto contra o racismo.

os mais lidos1025 times!

COMPARTILHAR