Portugal passou aniversário de sua democracia em isolamento social

O isolamento contra o coronavírus prejudicou as celebrações anuais que marcariam o aniversário, deste sábado, do fim da longa ditadura de Portugal, com marchas barulhentas nas ruas sendo substituídas por eventos virtuais e cantorias nas varandas.

LEIA TAMBÉM: Portugal é destaque no Fantástico, por sua atitude no combate ao vírus

LEIA TAMBÉM: “Um país melhor preparado”. Imprensa francesa elogia forma como Portugal está lidando com a pandemia

LEIA TAMBÉM: Medidas extraordinárias não reduzem contaminação de idosos por coronavírus em Portugal

“Evocar 25 de Abril é falar deste tempo, não é ignorá-lo”, disse o presidente de Portugal. (Foto-CWB)

Há 46 anos uma revolução quase sem sangue finalmente levou o país à democracia, encerrando o regime autoritário instaurado pelo ditador António Salazar, em 25 de abril de 1974.

Todos os anos, para homenagear os que lutaram pela democracia na Revolução dos Cravos, milhares de pessoas se reúnem nas ruas segurando cravos vermelhos e gritando “Fascismo, nunca mais”.

Comemorações parecidas estavam planejadas para este ano, mas o restrito isolamento da nação para combater o coronavírus, declarado em 18 de março e renovado até 2 de maio, forçou as autoridades a buscarem alternativas.

Governos locais optaram por organizar uma série de shows online, peças de teatro e passeios virtuais por galerias e prédios históricos, incluindo a residência oficial do primeiro-ministro António Costa.

Exatamente às 15h, horário local, muitos cidadãos foram às varandas para cantar o hino revolucionário “Grândola, Vila Morena”.

“Cantar pela janela, todos ao mesmo tempo, é uma maneira de dizer que, mesmo no confinamento, celebramos a democracia e a liberdade”, disse a líder do partido Bloco de Esquerda, Catarina Martins, à emissora de televisão RTP.

No bairro de Alcântara, em Lisboa, um grupo de funcionários municipais dirigiram em um caminhão aberto com alto-falantes, cantando músicas tradicionais e entregando cravos para os moradores confinados em suas casas.

O evento anual no Parlamento também foi moderado. Normalmente, 230 parlamentares e centenas de convidados se reúnem, mas os números foram limitados este ano para reduzir o risco de contágio.

Portugal até agora relatou 23.392 casos de coronavírus e 880 mortes, uma pequena fração em comparação com a vizinha Espanha, e planeja lentamente reabrir sua economia a partir de maio.

os mais lidos778 times!

COMPARTILHAR