Portugal vetará entrada de brasileiros se Europa recomendar, diz primeiro-ministro

No dia em que a Europa reabriu a maioria das suas fronteiras internas, o primeiro-ministro de Portugal, António Costa (Partido Socialista), anunciou que o país poderá vetar a entrada de brasileiros para cumprir uma possível determinação da Agência de Prevenção de Doenças da União Europeia.

LEIA TAMBÉM: Coronavírus destrói sonho de brasileiros em Portugal, e muitos penam para voltar

LEIA TAMBÉM: Por que Portugal começou a relaxar isolamento?

LEIA TAMBÉM: Crise do coronavírus agrava adversidades de imigrantes brasileiros em Portugal

Portugal vetará entrada de brasileiros se Europa recomendar, diz primeiro-ministro. (Foto-CWB)

Em entrevista a jornalistas estrangeiros em Lisboa, Costa declarou que seguirá a decisão da Comissão Europeia que, na última quinta, recomendou a abertura das fronteiras externas do bloco no dia 1 de julho, de modo “gradual e parcial”. O bloco, contudo, aconselhou explicitamente que restrições permaneçam em vigor para viajantes de países em situação epidemiológica mais grave que a europeia.

A lista de países que serão vetados ainda não foi divulgada, mas hoje Portugal é o único que continua a aceitar viajantes brasileiros.

— A partir do momento que houver sinalização por parte da Agência Europeia de Prevenção da Doença, nós cumpriremps as regras. Até agora temos mantido exceções. Mantivemos voos de e para o Brasil. A frequência tem sido baixa e 11 pessoas entre 8.767 pessoas que vieram do Brasil foram dadas como infectadas — disse Costa.

A União Europeia fechou suas fronteiras para não residentes no dia 17 de março, pela primeira vez na história, buscando conter os efeitos na pandemia de Covid-19, que na época tinha o continente como epicentro. Viagens internas “não essenciais” também foram proibidas, após vários países tomarem medidas independentes neste sentido.

Com o controle da pandemia em seu território, no entanto, o bloco vem retomando gradualmente suas atividades econômicas. Com suas atividades praticamente paralisadas desde o início de março, companhias aéreas e empresas de turismo pressionavam para uma reabertura das fronteiras internas, buscando recuperar parte de suas perdas na alta temporada do verão, que começa em menos de uma semana.

os mais lidos1116 times!

COMPARTILHAR